Palácio Museu Olímpio Campos -
    
   
GOVERNADORESINSTITUCIONAL O PALÁCIO NOTÍCIAS GALERIAS ARTIGOS e TEXTOS PROGRAMAÇÃO CONTATOS

 

João Andrade Garcez

Mandato: 04.06.1970 a 14.03.1971
João Andrade Garcez nasceu em 25 de junho de 1926 na cidade de Laranjeiras, localizada no Vale do Cotinguiba; filho de Álvaro de Freitas Garcez e Maria Leonice Andrade Garcez. Em 1927, mudou-se para a cidade de Maruim também no Vale do Cotinguiba onde passou sua infância; fez o curso primário no Grupo Escolar Padre Dantas; quando passou para o curso ginasial veio morar em Aracaju isso em 1937, ficando internado no Colégio Salesiano. Em 1941 quando terminou o curso ginasial foi para o Colégio Atheneu fazer o curso complementar para ingressar na Faculdade. No ano de 1942 foi para Salvador ingressando no Curso da Escola de Odontologia, profissão que escolheu por influência dos tios. Formou-se em 1946, começando sua vida profissional na cidade de Salvador; após três (03) anos de formado retorna para Aracaju em 1950 e foi trabalhar no IAPC (Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Comerciários). Em 1952 ingressou como cirurgião bucomaxilofacial no Hospital de Cirurgia.
Após a fundação da Universidade Federal de Sergipe, juntou-se a outros colegas para a implantação do Curso de Odontologia no Estado, fato que se concretizou em 1971; entre 1969 e 1971 Dr. João Garcez foi Presidente do Conselho Regional de Odontologia de Sergipe.
Em 1964 com o golpe militar, João Garcez já era filiado a ARENA (Aliança Renovadora Nacional), nesse momento foi eleito pela Assembleia Legislativa como GOVERNADOR DE SERGIPE, em junho de 1970 recebendo o cargo das mãos do Deputado Volnei Leal de Melo que respondia pelo Estado, com o afastamento do Governador Lourival Batista que renunciou para concorrer ao Senado e o seu Vice Dr. Manuel Cabral Machado, tinha sido nomeado Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado; e sendo o Presidente da época o General Emílio Garrastazu Médici, o seu governo foi considerado um governo tampão e foi de 1970 a 1971. No período que esteve no Governo realizou: - abriu frente de trabalho no setor rodoviário em áreas atingidas pela seca:
- firmou convênios com o Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização), e com o Funrural (Fundo de Assistência ao trabalhador rural) para atuação de ambos no interior do Estado;
- através de empréstimo realizado ao Banco do Brasil, iniciou os trabalhos de drenagem da barra de Aracaju, para melhorar o acesso ao Porto;
- no seu governo iniciou a construção da primeira adutora em Sergipe;
- também no seu governo impediu a transferência da Superintendência da Petrobrás para Salvador;
- ajudou com o apoio do Presidente Médici a acelerar autorização para o funcionamento da TV Sergipe; e outras ações menores aconteceu em sua gestão.
Quando terminou seus nove (09) meses de mandato voltou-se para as suas atividades profissionais. Morreu em Aracaju no dia 12 de novembro de 2001, deixando um grande legado para a política sergipana.


Texto elaborado através de pesquisas feitas pela Coordenação de Pesquisa e Educação do PMOC,
Fontes: Livros de História e Política de Sergipe e
site http://www.fgv.br/CPDOC/ACERVO/dicionarios/verbete-biografico/garcez-joao-de-andrade
Texto reproduzido do blog: luizeduardocosta.blogspot.com.br
http://istoesergipe.blogspot.com/2017/03/uma-homenagem-joao-garcez.html
https://infonet.com.br/noticias/cidade/joao-garcez-ja-deixa-saudades/

 

 

Mapa do Site
Institucional O Palácio
Notícias Galerias
Artigos Programação
Contatos Tour 360°
Jogos Planta 3D
Biblioteca  
Administração

DIRETOR:Alberto Araujo Silva
TEL: (79) 3198-1462
Coordenação de Acervo Museológico 
Setor que abrange a curadoria e a monitoria, sendo responsável pelas informações e pelo acervo museológico do Palácio-Museu, e orientação dos visitantes e também, pela expografia dos seus ambientes.

COORDENADORA: Izaura Ramos
TEL: (79) 3198-1454
Coordenação de Pesquisa e Educação . Setor que abrange os serviços de arquivologia, pesquisa, comunicação e de ações educativas.

Palácio-Museu

A definição de casa-museu ou palácio-museu prevê a proteção da propriedade natural ou cultural, móvel ou imóvel, em seu local original, ou seja, preservada no local em que tal propriedade foi criada ou descoberta. Para que isso aconteça é necessário promover a restauração do patrimônio e utilizá-lo com fins didático-pedagógicos e culturais. Além disso, o Palácio-Museu Olímpio Campos promove eventos abertos ao público, a exemplo de exposições fotográficas, mostras de artistas, lançamentos de livros, entre outros. O novo projeto disponibiliza também serviços de guia para visitação, curadoria, pesquisa, documentação histórica, cafeteria e livraria etc.
Todos direitos reservados ©
Secretaria de Estado da Casa Civil