Palácio Museu Olímpio Campos -
    
   
GOVERNADORESINSTITUCIONAL O PALÁCIO NOTÍCIAS GALERIAS ARTIGOS e TEXTOS PROGRAMAÇÃO CONTATOS

 

Personalidades Sergipanas homenageia Quintina Diniz

Brasil, 1934. Uma laranjeirense se torna a primeira mulher deputada estadual em Sergipe. Seu nome é Quintina Diniz de Oliveira Ribeiro, uma sergipana ilustre que vivificou os rumos da mulher na política no estado. Com uma vida tão vultosa e de expressiva relevância para a nossa história, o Palácio-Museu Olímpio Campos (PMOC) promoveu na última quinta-feira, 29, no salão multieventos, um espaço de discussão com a presença de distintos convidados que contaram e recontaram a vida desta sergipana e a sua influência até os dias de hoje.


Maria Ione Macedo Sobral, ex-prefeita de Laranjeiras e coordenadora da mesa; Ana Lúcia Vieira Menezes, deputada estadual e professora; Emerson Maciel Santos, presidente da Academia Laranjeirense de Letras (ALJ); Paulo Meneses Leite, professor e cidadão laranjeirense; Neide Santana, professora e vice-presidente da ALJ; e José Franco Filho, professor e cidadão laranjeirense, foram os desbravadores da memória de Quintina Diniz, de sua vida, sua importância histórica e a relevância de, enquanto mulher, ter sido a primeira a ganhar protagonismo na vida política do estado.


Quintina Diniz foi, sobretudo, uma cidadã laranjeirense. E para falar de Laranjeiras, como lembra Paulo Menezes nas palavras de Aglaé Fontes: "É preciso fôlego e tempo". Professora dedicada, mulher de altivez e humildade admirável, Quintina foi para Laranjeiras exemplo de um ser humano disposto a olhar para o outro e compreendê-lo em sua diferença. "Laranjeiras deve um agradecimento muito grande a Quintina pelo modo como nos ensinou a amar ao próximo, a ter humildade. Ela se dava bem com índio e com negro. Naquele tempo Laranjeiras tinha muito índio", recorda Maria Ione.


"A mulher é sempre invisível", pontua, sem pestanejar, a deputada Ana Lúcia. A condição de mulher, geralmente, por condições historicamente desenvolvidas, coloca-a ainda hoje em desigualdade nas relações sociais de poder com os homens. Nesse sentido, Quintina ainda se apresenta como na vanguarda da participação das mulheres na política. Por isso, nos conduz a uma inspiração natural. Tanto dela quanto de outras mulheres, como Ofenísia Freire, que lutaram para ter seu espaço reconhecido e legitimado na vida pública. "Essas mulheres invisíveis nos mostraram a ter coragem de ir para o povo", lembra Ana Lúcia.


A vida de grande oradora e a fé católica marcaram também as poesias que a professora Quintina acumulava no seu tempo livre, caracterizadas, principalmente, pelo "misticismo, devoção e convicção política", como argumenta Emerson Maciel. Uma mulher de grande sensibilidade que transitava entre Aracaju e Laranjeiras, entre a tribuna e o povo, como uma peregrina sempre disposta a ouvir e a doar um pouco de si para um outro. "Eu tenho um arrependimento muito grande: o de não ter colocado o nome de Quintina na UFS [de Laranjeiras]", lamenta Maria Ione percebendo a grandiosidade de Quintina para a cultura local.


Assim, nessa simbiose entre Quintina e sua cidade natal, o evento foi encerrado com a apresentação da Filarmônica de Laranjeiras.



Fotos: ASCOM/Casa Civil





Postado: 13/04/2016 - 16:58:35

 

 

Mapa do Site
Institucional O Palácio
Notícias Galerias
Artigos Programação
Contatos Tour 360°
Jogos Planta 3D
Biblioteca  
Administração

DIRETOR:Alberto Araujo Silva
TEL: (79) 3198-1462
Coordenação de Acervo Museológico 
Setor que abrange a curadoria e a monitoria, sendo responsável pelas informações e pelo acervo museológico do Palácio-Museu, e orientação dos visitantes e também, pela expografia dos seus ambientes.

COORDENADORA: Izaura Ramos
TEL: (79) 3198-1454
Coordenação de Pesquisa e Educação . Setor que abrange os serviços de arquivologia, pesquisa, comunicação e de ações educativas.

Palácio-Museu

A definição de casa-museu ou palácio-museu prevê a proteção da propriedade natural ou cultural, móvel ou imóvel, em seu local original, ou seja, preservada no local em que tal propriedade foi criada ou descoberta. Para que isso aconteça é necessário promover a restauração do patrimônio e utilizá-lo com fins didático-pedagógicos e culturais. Além disso, o Palácio-Museu Olímpio Campos promove eventos abertos ao público, a exemplo de exposições fotográficas, mostras de artistas, lançamentos de livros, entre outros. O novo projeto disponibiliza também serviços de guia para visitação, curadoria, pesquisa, documentação histórica, cafeteria e livraria etc.
Todos direitos reservados ©
Secretaria de Estado da Casa Civil