Palácio Museu Olímpio Campos -
    
   
GOVERNADORESINSTITUCIONAL O PALÁCIO NOTÍCIAS GALERIAS ARTIGOS e TEXTOS PROGRAMAÇÃO CONTATOS

 

Ex-governadores são homenageados no PMOC

A vida e a obra de mais quatro ex-governadores de Sergipe foram tema de palestras realizadas na tarde desta quinta-feira, 27, no Palácio-Museu Olímpio Campos. O evento faz parte da programação do PMOC que homenageia mensalmente os ex-governantes da república sergipana. Desta vez, os homenageados foram Apulchro Mota, Luiz Garcia, Lourival Baptista e Paulo Barreto.

O historiador e professor Milton Barbosa falou sobre Apulchro Mota e a advogada Gláucia Garcia, neta de Luiz Garcia, falou sobre a vida e obra do avô. O jornalista e escritor Luiz Eduardo Oliva (ouvidor geral do Estado) proferiu palestra sobre Lourival Baptista e Paulo Barreto.

História dos ex-governantes

Apulchro Mota nasceu em São Cristóvão em 1857 e morreu em Aracaju aos 67 anos. Foi jornalista com passagem pelos jornais "A Reforma" e "Gazeta de Sergipe". Político, foi secretário de Estado, deputado e presidente da Assembleia Constituinte. Assumiu o Governo do Estado com a renúncia de Martinho Garcez (1899) sendo eleito, depois, Vice- Presidente do Estado (1900-1902).

Luiz Garcia, foi advogado, jornalista e político. Foi governador do Estado entre 1959 a 1962, quando renunciou ao mandato para ser candidato ao Senado. Como governador, criou o Banco do Estado de Sergipe e construiu o Hotel Pálace de Aracaju. Ergueu, também , a Estação Rodoviária, criou o IPES, o Centro de Reabilitação Ninota Garcia, a Faculdade de Medicina de Sergipe, o Museu Histórico, em São Cristovão, e realizou obras e serviços essenciais ao Estado. Integrou a Academia Sergipana de Letras a partir de 1942. Natural de Rosário do Catete, Luiz Garcia morreu em agosto de 2001.

Crescimento da zona Sul

Engenheiro por formação, Paulo Barreto de Menezes, governou Sergipe entre os anos de 1971 e 1975 com foco no desenvolvimento urbano. Uma das suas principais obras urbanísticas foi a criação da avenida que liga o Centro de Aracaju à Atalaia, interligando a zona central da capital à zona Sul. Foi na gestão de Paulo Barreto, que foi construída a Biblioteca Pública Epiphâneo Dórea. Foi diretor de obras do ex-governador Lourival Batista.

O governo do médico baiano de Entre Rios, Lourival Baptista, antecedeu o de Paulo Barreto de Menezes entre 1967 a 1970. Político, filiado a extinta UDN, foi deputado estadual, prefeito de São Cristóvão (cidade onde morou assim que se mudou da Bahia para Sergipe) e senador. Construiu, na época, o edifício mais alto do Norte e Nordeste - o Edifício Estado de Sergipe, mais conhecido como Maria Feliciana - com 28 andares, e e o Estádio Lourival Baptista.

Centro de Pesquisa

Além de pessoas da comunidade, as palestras contaram com a presença de familiares dos ex-governadores. O Palácio-Museu Olímpio Campos é uma fonte histórica importante, por guardar a memória da história política e cultural do Estado. Faz parte do acervo, fotos e objetos de ex-governadores que no mês em que fariam ou fazem aniversário, no caso de ex-governantes vivos, são homenageados pelo PMOC, num evento coordenado pela Coordenadoria de Educação e Pesquisa do Palácio-Museu.





Postado: 12/04/2016 - 17:43:29

 

 

Mapa do Site
Institucional O Palácio
Notícias Galerias
Artigos Programação
Contatos Tour 360°
Jogos Planta 3D
Biblioteca  
Administração

DIRETOR:Alberto Araujo Silva
TEL: (79) 3198-1462
Coordenação de Acervo Museológico 
Setor que abrange a curadoria e a monitoria, sendo responsável pelas informações e pelo acervo museológico do Palácio-Museu, e orientação dos visitantes e também, pela expografia dos seus ambientes.

COORDENADORA: Izaura Ramos
TEL: (79) 3198-1454
Coordenação de Pesquisa e Educação . Setor que abrange os serviços de arquivologia, pesquisa, comunicação e de ações educativas.

Palácio-Museu

A definição de casa-museu ou palácio-museu prevê a proteção da propriedade natural ou cultural, móvel ou imóvel, em seu local original, ou seja, preservada no local em que tal propriedade foi criada ou descoberta. Para que isso aconteça é necessário promover a restauração do patrimônio e utilizá-lo com fins didático-pedagógicos e culturais. Além disso, o Palácio-Museu Olímpio Campos promove eventos abertos ao público, a exemplo de exposições fotográficas, mostras de artistas, lançamentos de livros, entre outros. O novo projeto disponibiliza também serviços de guia para visitação, curadoria, pesquisa, documentação histórica, cafeteria e livraria etc.
Todos direitos reservados ©
Secretaria de Estado da Casa Civil